HOME / Live com Lua Fonseca, Mestra em Ciências Sociais

Live com Lua Fonseca, Mestra em Ciências Sociais

quarta-feira, 16 de junho de 2021

TAGS:

A convidada Lua Fonseca, é Mestra em Ciências Sociais (UERJ) e coordenadora pedagógica do Movimento Infância na Natura (MIIN).

Renato Senna, Gerente Geral da Rede Cruzada e Lua Fonseca, conversam sobre Brincantes na Natureza. 

Lua começa contando a sua trajetória depois que chegou ao Rio de Janeiro e relata a sua primeira experiência em um quintal. Nessa primeira escola, ela conta que tinham os pilares com a criança e a natureza, o livre brincar, respeito a infância e ao cuidado com a infância. Nascendo com a essência da criança ser criança e da infância ser infância.

A mestra afirma que a criança precisa de 3 coisas muito básicas: tempo, espaço e experiência pra inventar.

Se a criança não tem tempo e espaço ela não consegue produzir. Ela é limitada o tempo inteiro no seu saber. O tempo faz a criança. E no quintal ela cria, reconstrói, entende, faz questionamentos e perguntas. Ela precisa de espaço. É uma coisa que a gente trabalha muito. O meu espaço e o seu espaço e como a gente vai cuidar desse espaço pra ele permanecer com a gente.

Lua diz que quando se fala em livre brincar é preciso tomar um certo cuidado. “É um momento que ela vai contar histórias e ela vai permanecer”. Afirmando que as crianças precisam da natureza. De acordo com Lua Fonseca, quando se fala natureza, ela diz que a rua é a natureza.

Precisamos levar as crianças pras ruas, para os parques. Elas precisam vivenciar o “pra além” das crianças e dos amigos da escola. Não que os amigos não sejam fundamentais no processo da criança, mas a rua, o diferente, isso tudo constrói a criança.

A coordenadora ressalta que a criança é produtora de cultura. Encantamento para o mundo. Lua diz que a criança reencanta, encanta e reencanta. “Então, ela está ali o tempo todo tentando estar no seu entorno”, afirma a Mestra. Além disso, Lua argumenta que a criança é um grande território de memória, onde ela constrói memórias para o futuro e para os seus ancestrais também. Afirmando que ela precisa ter a memória dos seus ancestrais e precisa construir essas memórias.

A mestra cita um historiador chamado Luiz Simas, dando ênfase em uma fala de que a criança precisa tomar um não na rua. Que ela precisa ver a diferença, os contextos que ela está levando para ela. Renato Senna complementa que ela precisa ter estranhamentos e Lua concorda ressaltando que a gente vive construindo uma criança sem a possibilidade do tempo, de refletir sobre aquilo que ela precisa refletir.

A educação infantil é a parte mais fundamental da vida. Precisamos olhar com carinho pra essa infância. E quando eu digo olhar com carinho é entender que a criança é um sujeito de direitos. A gente não pode negar isso. Negar a natureza, negar a interação, negar a possibilidade do diferente, do estranhamento, é você negar o encantamento do mundo.

Renato Senna diz uma frase que “proteção demais desprotege” e a título de proteger a infância dos filhos para não correrem riscos, acabamos restringindo o horizonte de vida dessa criança.

Dê play e acompanhe a íntegra a conversa dos educadores.

Quer saber mais novidades sobre a Rede Cruzada? Siga a gente nas redes sociais: YouTube, Instagram, Facebook, LinkedIn 

Venha conosco criar um futuro melhor para todos. Seja um Investidor Social e apoie a educação como agente transformador!

Compartilhar:

DEIXE SEU COMENTÁRIO

comments