Sensibilidade, afetos e transformações para uma educação decolonial e antirracista
Sensibilidade, afetos e transformações para uma educação decolonial e antirracista

O diferencial do nosso trabalho no contraturno escolar da unidade Plantando o Amanhã

está na humanização constante de nossas práticas e de nossas vivências. Entendemos

que, essas “vivências”e as experiências que vêm de alunos e educadores se encontram

para a produção de saberes. Construir saberes, então, é olhar para o que pulsa da

realidade, da vida, da história das crianças e de seu redor e mediar diálogos, pontes para as

novidades que temos para… DesKobrir.

Somos uma equipe de educadores oriundos de contexto social semelhante e identificado ao

território em que se localiza nosso projeto e, também por isso, acreditamos em uma

educação mediada pelo afeto, que compreende a individualidade de cada aluno, respeita

seus processos de aprendizagem e acolhe as inseguranças.

Através dessa identificação, procuramos tecer temáticas que conversem com a realidade

presente em seus territórios e assim transformar a sala de aula em um retrato de seus

quintais. Buscamos referenciar as histórias, os saberes, o pertencimento e validar nossas

ancestralidades para que possamos nos reapropriar do potencial transformador que nos foi

negado historicamente. Falamos aqui, de uma educação decolonial que se traduz em

práticas antirracistas.

Dentre essas praticas, para exercer essa educação decolonial e antirracista, buscamos

sempre valorizar narrativas de autores negros e indígenas, referenciar legados de figuras

próximas às realidades conhecidas como Carolina Maria de Jesus, Tia Ciata, Lázaro Ramos

e Emicida. Dessa forma conseguimos trilhar uma aprendizagem com significado, não

mecanizada que preze pelo cognitivo sem abrir mão do cuidado com o sócio-emocional. A

intencionalidade é sempre fazer com que nossas crianças e adolescentes percebam o

lugar deles como autores da própria história, condutores das próprias narrativas,

potencializando os seus sonhos para as possibilidades de futuro.

Gabriel, Juliana, Mel Celina e Raquel.

Outros
textos