HOME / Perspectivas e tendências para a educação da primeira infância para 2022

Perspectivas e tendências para a educação da primeira infância para 2022

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

TAGS:

Assim como nos demais segmentos de ensino, a pandemia também exigiu mudanças e apresentou novas necessidades na educação da primeira infância. 

De forma geral, as escolas tiveram que se adaptar às tecnologias e metodologias, para transmitirem os conteúdos, principalmente a partir do ensino fundamental.

A sala de aula entrou nos lares através da tela de um computador, tablet ou celular, desde que o aluno estivesse conectado à internet. 

No entanto, esse novo formato promoveu a exclusão de muitas crianças, tanto ao acesso do conteúdo quanto à troca de experiências.

Segundo uma matéria publicada no Estadão, 80% das crianças e adolescentes brasileiros são matriculados na rede pública de ensino e apenas 13% conseguiram manter contato com suas escolas durante a pandemia. 

Diante desse cenário, novas tendências surgiram para possibilitar à criança uma convivência escolar ativa e produtiva. Vamos conhecer algumas delas?

A educação da primeira infância

A educação da primeira infância é determinante para o desenvolvimento da criança e na formação do ser humano.

A primeira infância tem grande influência na formação dos valores e no despertar do interesse pelo aprendizado, já que é a partir do convívio social na escola que se começa a descobrir o mundo à sua volta. 

Através de novas experiências, ela compreende suas emoções, conquista autonomia, aprende a respeitar o sentimento do outro e a aceitar os combinados estabelecidos. 

Como já dissemos, esse segmento da educação também precisou passar por adaptações, que envolvem a escola, professores, alunos e famílias, mostrando tendências e descortinando uma nova forma de conviver no ambiente escolar.

As perspectivas para educação da primeira infância para 2022

A Rede Cruzada se mantém atenta às tendências, que se fazem necessárias para o bom desenvolvimento e segurança da criança, para isso readequou suas instalações para receber os alunos.

Algumas delas são:

Uma nova rotina de cuidados 

O protocolo de higiene passou a ser uma necessidade dentro de toda organização educacional. 

Com isso, o uso do álcool em gel, máscara e o distanciamento social faz parte do hábito diário da escola.

Da mesma forma que o uso de sanitários, pias, manuseio e o acesso às refeições também sofreram adaptações. 

Nesse sentido, a Rede Cruzada trabalha com ações educativas, enfatizando a importância de todos os cuidados para o bem-estar coletivo.

Novo jeito de brincar 

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) destaca a aplicação de brincadeiras e dos jogos na educação da primeira infância, como ações essenciais para:

  • a formação, 
  • socialização, 
  • desenvolvimento das habilidades psicomotoras, sociais, afetivas e físicas da criança, entre outros. 

Elas continuam sendo fundamentais no conteúdo escolar, e uma das tendências foi a reformulação de um novo jeito de brincar, que possibilite o distanciamento e, ao mesmo tempo, promova o sentimento de inclusão e aproximação entre as crianças, além do aprendizado.

Aulas ao ar livre

Outra tendência para a educação da primeira infância é abrir portas e paredes das salas de aula, para oferecer espaços abertos ou ao ar livre.

Dessa forma, pátios, quadras e parques passaram a ser ambientes escolares.

Mais solidariedade, colaboração e inclusão

Profissionais da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) consideram que as crianças e adolescentes foram, e são, impactados pela pandemia tal qual os adultos. 

Eles desenvolveram seus medos e dificuldades de lidar com a doença, luto, isolamento e algumas delas enfrentaram a falta de necessidades básicas, como o acesso à alimentação, que muitas vezes é fornecida pela escola. 

A ausência de internet, e de equipamentos para o acesso, também gerou o sentimento de solidão e exclusão nelas. 

Esse quadro favoreceu o desenvolvimento de distúrbios do sono, síndrome de ansiedade e perdas cognitivas, além de irritabilidade e estresse emocional, fazendo com que elas apresentem outros pontos problemáticos, além do conteúdo escolar. 

Nesse sentido, o retorno às aulas presenciais promove a inclusão e possibilita um olhar mais de perto do aluno, promovendo a aproximação e a integração com seus familiares.

Mais do que nunca, a escola tem o importante papel de olhar a criança como um ser integral e promover a colaboração, solidariedade e inclusão, em toda a comunidade onde ela está inserida.

Acesse nosso site e saiba como você pode ajudar a Rede Cruzada a ampliar o atendimento à educação infantil e promover a igualdade social. 

Compartilhar:

DEIXE SEU COMENTÁRIO

comments